quinta-feira, 13 de abril de 2017

A torneira fechada que deflagra a roubalheira inflamável

Os números e fatos que serão apontados a seguir, deveriam servir de reflexão para todos os impacientes que estão atacando o atual governo sem motivo algum da forma como estão fazendo

Esta publicação contém dados que consegui junto a diretora de comunicação social da prefeitura, Anelise Rheiner, que está realizando um levantamento com números e ações concretizados sobre os primeiros cem dias de governo Roberto Tatu, a qual ela me adiantou os números relacionados ao consumo de combustíveis da Secretária de Meio Ambiente, Agricultura e Recursos Hídricos.


A economia de combustível na Secretaria de Meio Ambiente, Agricultura e Recursos Hídricos, já no início da nova gestão, pode-se observar uma redução mais que significativa, é um escândalo que deveria colocar gente do governo passado na cadeia.

E são esses gastos que representam a maior parcela de custos da Secretaria com serviços que consistem não só na manutenção das estradas vicinais, como no atendimento aos produtores rurais com retroescavadeiras para abrirem açudes e canais, e tratores para aragem da terra, sendo esses serviços cobrados pela prefeitura com valores subsidiados que chegam a 50% mais barato do que o valor praticado no mercado.

Na tabela exibida nesta matéria podemos identificar os resultados da economia obtida na nova gestão. Comparando o primeiro trimestre de 2017 ao primeiro trimestre de 2016.


Vale ressaltar que no mês de março de 2017, houve um acentuado acréscimo em relação a fevereiro do mesmo ano. O fato se justifica, pelas obras realizadas nas estradas vicinais do município, que aumentou o número de máquinas e corpo técnico envolvido, algo em torno de DOZE MÁQUINAS e VEÍCULOS PESADOS, sendo oito cedidas pelo governo do Estado. Ainda assim a redução é alarmante.

Importante recordar que o governo passado abandonou por completo todas as estradas vicinais do município desde o início de 2014, tenho inúmeras reclamações dos próprios vereadores da base aliada de Branca Motta sobre o problema, com o executivo alegando o aguardo de repasses de verbas do governo estadual para custear o combustível das máquinas.

Mesmo com a antiga secretaria de agricultura e meio ambiente estando praticamente inativa desde 2014, os gastos do primeiro trimestre de 2016 extrapolam brutalmente a normalidade dos gastos públicos, senão vejamos:

Por ser um mês de muitas chuvas, normalmente em janeiro a patrulha mecanizada da secretaria de agricultura praticamente não trabalha, salvo em casos excepcionais, e mesmo assim, sob a gestão de Sebastião Coroia os gastos em combustíveis em janeiro atingiram  a monta de R$ 39.055,83, e em fevereiro com menor volume de chuvas, os gastos saltaram para R$ 51.539,40 chegando em março aos absurdos R$ 62.495,70, lembrando que em março nunca chove menos que em fevereiro, em alguns anos até choveu mais em março, tornando indiscutivelmente injustificável a elevação dos gastos em quase DEZ MIL REAIS.

Os números apontados no primeiro trimestre de 2017 denunciam o quanto se roubava combustível ou se emitia notas frias no mesmo período de 2016, conforme podemos constatar a seguir:


  • Em janeiro deste ano os gastos ficaram em R$ 6.699,92, isso mesmos meus caros leitores, SEIS MIL, SEISCENTOS E NOVENTA NOVE REAIS, E NOVENTA E DOIS CENTAVOS uma redução de 82,85%.
  • Em fevereiro o gasto ficou em R$ 7.530,33, isso mesmo meus caros leitores SETE MIL, E QUINHENTOS E TRINTA REAIS, E TRINTA E TRÊS CENTAVOS representando uma redução de 85.39%.
  • Em março, mesmo com o estado cedendo OITO EQUIPAMENTOS ENTRE MÁQUINAS E CAMINHÕES, e mesmo com as intensas atividades de recuperação das estradas vicinais, que ainda estão em andamento, os gastos ficaram em R$ 17.079,78, isso mesmo meus caros leitores DEZESETE MIL E SETENTA E NOVE REAIS, E SETENTA E OITO CENTAVOS, observando uma redução de 72.67%.

A diferença dos valores somados nos três meses do comparativo dos períodos desta abordagem, chegou a uma economia de R$ 121.780,99, ou 80.30 %.

O que justifica esta diferença discrepante nos gastos de combustíveis da secretaria de meio ambiente, agricultura e recursos hídricos do primeiro trimestre de 2016 com o mesmo período de 2017?

Se esta média de redução dos gastos em combustíveis na secretaria de meio ambiente, agricultura e recursos hídricos for mantida até dezembro de 2017, a referida secretaria alcançará uma economia de R$ 487.123,96.

Também podemos mensurar este valor exorbitante significando que o governo passado ROUBOU ou deixou ROUBAR quase MEIO MILHÃO DE REAIS somente nos combustíveis desta secretaria, imaginem o quanto foi na secretaria de obras, transportes e serviços públicos?


Abaixo você pode relembrar o quanto eu denunciei este escárnio com o dinheiro público entre 2013 e 2016


São DEZESSETE reportagens denunciando um dos maiores ralos de desvios de dinheiro público na PMBJI somente no segundo mandato da era Branca Motta, somente na pequena secretaria de agricultura estima-se que foram desviados somente em 2016 quase MEIO MILHÃO DE REAIS, para todos terem ideia do quanto se desviou nas secretarias de obras, saúde e assistência social que tem gastos muito maiores.

Este simples comparativo trimestral entre 2016 e 2017 é a constatação cabal e irrefutável daquilo que eu sempre denunciei sobre o descontrole nos gastos de combustíveis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário